Recordar é viver, então vamos falar um pouco sobre a história da Mesbla S.A, que fechou suas portas em 1.999, após mais de 70 anos de atividades e de ter marcado a história do varejo no Brasil, quem tem mais de 25 anos provavelmente se lembra dela.

A Mesbla iniciou suas atividades vendendo peças e acessórios para os automóveis na mesma época em que agentes importadores começaram a vender carros no Brasil. Logo depois passou a vender carros, máquinas e ferramentas e se expandiu pelo território nacional até tornar-se uma das primeiras empresas a obter registro de capital aberto no Brasil.

Na década de 50, entrou no ramo de Lojas de Departamentos com sedes instaladas nas principais capitais do país e em algumas cidades do interior, por quase três décadas reinou praticamente sozinha no mercado de varejo, por ser a única empresa do gênero de abrangência nacional, tinha 180 pontos de vendas e empregava 28 mil pessoas. Suas lojas de grande porte, com áreas raramente inferiores a 3 mil metros quadrados, eram pontos de referência nas cidades onde a empresa se fazia presente.

Nos anos 80 a empresa passou a perder espaço para os novos concorrentes,  então contratou uma consultoria mercadológica e suas lojas passaram por uma completa reformulação, com mudanças na decoração das lojas, arrumação das vitrines, uniformes dos vendedores e comunicação dos clientes.

Atraiu os melhores executivos do mercado, oferecendo bons salários, o que naquela época foi de ótimo resultado para a empresa, pois em 1986 foi escolhida pela revista Exame, como a melhor empresa do Brasil e também eleita pelos seus funcionários como a melhor empresa para se trabalhar, e para os clientes comprar na Mesbla era motivo de orgulho.

O sucesso durou pouco devido à falta de compreensão dos novos tempos e com um modelo de negócios que não acompanhou as estratégias de mercado, no começo dos anos 90, com o fim dos ganhos financeiros propiciados pela inflação, seus problemas de gestão explodiram.

A empresa possuía um endividamento cada vez mais crescente, em decorrência dos sucessíveis prejuízos que a empresa estava obtendo e à insuficiência de medidas de saneamento dessa situação. Para suportar seus níveis de vendas, a empresa passou a conceder mais créditos aos seus clientes, piorando ainda mais a sua situação financeira, a conjuntura da época não ajudava devido à alta inflação e aos níveis extremamente altos das taxas de juros, a administração por sua vez cometeu alguns erros estratégicos, como por exemplo a decisão de estocar uma imensa quantidade de mercadorias, pois acreditavam que o país estava se encaminhando para uma hiperinflação, porém com o advento do Plano Real houve o fim da alta inflação.

Quando a Mesbla tentou se igualar aos novos concorrentes, criando marcas exclusivas de roupa e seu próprio cartão de crédito, já era tarde. No ano de 1994 já havia fechado várias lojas e reduzido seu quadro para 4,5 mil funcionários, sem conseguir estancar os prejuízos.

Em 1997 as dívidas da empresa superavam um bilhão de reais, então a empresa entrou em recuperação judicial que infelizmente não foi suficiente para salva-la, assim as operações foram encerradas completamente em 1999.

Referências – Wikipédia

Através de toda a trajetória da Mesbla podemos concluir que não existe formato de modelo de gestão que seja bem-sucedido por todo o tempo e por isso é de suma importância que os administradores estejam sempre atualizados sobre o mercado em que atuam, a situação financeira da empresa também necessita ser analisada com muito cuidado, sempre verificando as consequências geradas com cada decisão tomada, a realização e acompanhamento de projeções e as análises dos resultados apresentados são ferramentas importantíssimas para a obtenção do sucesso.

Site: www.dmscontadores.com.br
E-mail: contato@dmscontadores.com.br